Mitsubishi Pajero Sport Flex

Mitsubishi Pajero Sport Flex

O mundo ainda ignora nossos motores bicombustíveis, para azar desses consumidores. Mas aqui a tecnologia não só evolui como tem chegado à categorias impensáveis. Foi o que fez a Mitsubishi ao desenvolver o primeiro motor V6 flex do mundo que é também o mais potente bicombustível já visto. São 205 cv usando álcool num motor 3.5 litros.

Segundo a marca, a ideia de criar esse motor veio após o lançamento do Pajero TR4 Flex, em 2007. De lá para cá, muitos estudos e conversas com a matriz no Japão permitiram que o Pajero Sport fosse o primeiro modelo a receber o V6 3.5 flex. E a logística não é simples. Produzido no Oriente, o propulsor teve de ser redesenhado para acomodar as modificações exigidas pelo sistema bicombustível. Depois de chegar à Catalão, o motor é completado e testado.

São 205 cv de potência com álcool e 200 cv com gasolina. O torque é de 32,3 kgfm e 31,3 kgfm, respectivamente. O tanque de combustível foi ampliado de 75 para 90 litros a fim de manter uma autonomia semelhante. De acordo com a Mitsubishi, o consumo com álcool em trechos urbanos gira entre 4 km/l e 5 km/l, dependendo da condução do motorista – ela não publica os dados oficiais assim como a Toyota, por exemplo.

O modelo deverá começar a ser vendido em agosto com preço de R$ 109 990 e apenas com transmissão automática. Isso dá R$ 10 000 a menos que o Pajero Sport a diesel. Em São Paulo, por exemplo, o preço do álcool pode tornar o custo de rodagem mais barato que o diesel, o que mostra o potencial do modelo.

A Mitsubishi espera ampliar as vendas para 200 unidades/mês do Pajero Flex 2010 – a versão a gasolina 2009 vendia em média 100 veículos. Mas o objetivo é vender mais que a versão a diesel, ou seja, acima de 300 carros por mês.

Impressões

Pudemos andar com o Pajero Sport Flex por um percurso misto de estrada e terra, mas de boa qualidade, próximo à cidade de Itatiba, no interior de São Paulo. Diferentemente do Pajero diesel, o motor V6 tem funcionamento suave e é silencioso em quase todas as situações.

O câmbio automático de quatro marchas tem função que interpreta o estilo de dirigir do motorista e adequa as trocas conforme esse perfil. As reações são boas, mas não à altura de transmissões mais modernas. Em compensação, a suspensão e os pneus mistos de 17 polegadas fornecem uma estabilidade e conforto inesperados para um utilitário esportivo desse porte.

As respostas do motor em retomadas pareceram suficientes, mas certamente não equiparam-se as da versão diesel. Em suma, o Pajero Sport Flex pode ser uma boa pedida para os fãs de off-road, mas que querem ter um veículo mais urbano e confortável.

Gostamos

Do comportamento do Pajero tanto no asfalto quanto na terra e do bom isolamento acústico.

Não gostamos

Apesar de melhorado com detalhes em couro, rádio double-din e ar-condicionado digital, o interior do Pajero Sport já está muito antigo – a L200 Triton, bem mais moderna, demonstra isso.