Avaliamos a inédita picape Volkswagen Amarok

Volkswagen Amarok

Como vocês devem ter percebido, o Blogauto ficou em “silêncio” desde ontem à tarde e a razão foi ótima. Saímos de Maceió, onde estávamos no lançamento do EcoSport e fomos direto para o evento de outro utilitário, mas esse realmente inédito, a picape média Amarok, da Volkswagen. A montadora realiza a apresentação na cidade de Bariloche, na Argentina, não por coincidência, a terra natal da picape.

O evento é mundial e durará ao todo 12 dias – na semana que vem será a vez dos países fora do continente. Por isso, a VW montou uma espécie de maratona: chegamos ontem à Buenos Aires e hoje saímos da cidade às 7h00 da manhã. Ao chegar em Bariloche, já seguimos para o test-drive, realizado na região e que conta com uma pista de off-road com desafios interessantes para mostrar a capacidade da picape.

Confira o calendário de lançamentos de 2014

Somente agora chegamos ao hotel e nem mesmo a apresentação técnica foi feita – ela ocorre dentro de instantes. Mas vamos adiantar aqui nossas impressões da Amarok, um produto em que a Volks deposita muita esperança de ajudar a se aproximar da Fiat no Brasil em vendas.

Volkswagen Amarok

Interior familiar

A frota de Amarok já nos esperava no aeroporto e tivemos a oportunidade de avaliar uma versão completa com direito a capota marítima e santantônio estilizado. No interior, em vez do rádio mais simples, o mesmo usado em outros carros da Volks, tínhamos uma tela multifuncional sensível ao toque onde se comando das estações do rádio ao ajuste do ar-condicionado, além de bluetooth e outras funções.

E já adiantamos uma coisa: a Amarok será confundida com a Hilux, sobretudo na traseira. A Volks seguiu ao pé da letra sua maior rival, o que não deixa de ser uma atitude sensanta afinal a Toyota domina o segmento mais luxuoso de picapes médias.

A picape, ao vivo, é bonita, mas bem discreta, ou seja, o contrário da L200 Triton, que é fácil de ser identificada à distância. O interior realmente lembra o de outros carros da Volkswagen: volante, botões, console central e acabamento estão na mesma linha do Polo, por exemplo. Nada sofisticado, bem sólido, mas a Volks exagerou no plástico duro das portas e do painel. Tudo bem que é um utilitário, mas poderia ser um pouco melhor.

A cabine é muito espaçosa, tanto quanto a Hilux, aparentemente – não temos as medidas da Toyota ainda -, mas basta comparar com uma das picapes antigas do mercado para termos uma ideia. Em relação a Ranger, que já medimos anteriormente, a Amarok tem 15 cm a mais de largura no banco dianteiro e 14 cm no traseiro. A altura do assento até o teto é 7 cm maior na frente e apenas 2 cm maior atrás, mas o banco fica numa posição bem mais alta e natural. Aliás, o espaço para pernas traseiro é 5 cm maior que a Ford.

Apenas o comprimento do cockpit da Amarok é menor que o da Ranger: 1,50 m contra 1,52 m. Ou seja, conforto de automóvel de passeio, como a Hilux.

Volkswagen Amarok

Eletrônica de sobra

O diferencial que a Volks irá trabalhar em cima chama-se eletrônica. A Amarok é carregada de sistemas de ajuda, mais comuns em modelos como o Toaureg, por exemplo. O test-drive off-road ressaltou todos eles: há controle de tração, sistema ABS para off-road, controle de descida e subida, entre outros.

Um dos testes que mais nos impressionaram foi o de controle de subida. Basta acionar o diferencial e engatar a primeira marcha na base de um aclive de até 45º. A picape sobe a ladeira sozinha, tão lentamente que chega a dar impressão que não conseguirá terminar o percurso. Na descida, o sistema também mantém a Amarok sob controle em velocidade mínima, mas na primeira vez que fizemos o teste o recurso não funcionou. O funcionário da VW que nos acompanhava não soube dizer o que ocorreu, no entanto.

Todo acionamento da tração 4Motion é feita por botões na lateral esquerda do câmbio. Enquanto a reduzida necessita que o veículo esteja parado para ser acionada, a 4×4 normal pode ser ligada em qualquer velocidade. O câmbio de seis marchas deixou as relações extremamente curtas: em 2ª, por exemplo, a picape consegue sair da imobilidade sem problemas, mas é um pouco incômodo.

Surpreende também o motor 2.0 de 163 cv: a VW tirou a mesma potência que a Toyota consegue com o 3.0 da Hilux, sem falar no torque superior, de 40,8 kgfm a apenas 1 500 rpm. A disposição é muito grande, mas a 6ª marcha só serve mesmo em velocidades mais altas para economizar combustível. Por falar nisso, o painel de instrumentos da Amarok indica a marcha em uso e sugere a troca caso fique evidente que haverá economia de combustível.

Na estrada, o silêncio do motor e o isolamento acústico da cabine se destacaram. A estabilidade da picape é maior do que se imaginava desde que se leve alguma carga na caçamba, como era o nosso caso. Sem nada atrás, ela se comporta como qualquer outra picape.

Na terra, andamos em velocidades altas e a suspensão soube mantê-la equilibrada sem passar muita vibração na cabine, mas em certos obstáculos que enfrentamos partes do assoalho tocaram o chão.

Volkswagen Amarok

Sem preços ainda

Em conversa com o pessoal da Volks, soubemos que os preços só serão divulgados no final de março já que a Amarok será lançada no Brasil no começo de abril. Neste momento, a rede de concessionários está recebendo treinamento no interior de São Paulo.

Sem saber quanto a VW cobrará pela Amarok, fica difícil dar um veredicto. A picape tem muitas qualidades e não era para menos – a montadora ensaia a entrada no segmento há anos -, mas ela não traz o mesmo apelo visual da Triton e mesmo da Hilux. Além disso, toda a eletrônica embarcada pode ser vista como um ponto negativo para certos clientes. A Toyota, por exemplo, mantém o acionamento manual da tração 4×4 a pedido de seus compradores, que temem ficar na mçao numa situação extrema.

Se resolver cobrar um pouco menos que a Toyota, a Amarok pode sim fazer sucesso, mas se a Volks achar que tem um produto muito acima da concorrência, corre o risco de ver a picape virar uma espécie de Tiguan com caçamba: é bom, moderno, mas muito caro e por isso visão rara nas ruas.

As fotos de divulgação nos serão passadas hoje à noite e quando voltarmos da apresentação, atualizaremos o post.

15 Comments on “Avaliamos a inédita picape Volkswagen Amarok

  1. RECALL À VISTA???

    Na descida, o sistema também mantém a Amarok sob controle em velocidade mínima, mas na primeira vez que fizemos o teste o recurso não funcionou. O funcionário da VW que nos acompanhava não soube dizer o que ocorreu, no entanto.

    ——————–

    Parabéns pela matéria

    Parabéns a Vw pela excelente pick-up.

    ———————

    Aviso a VW:

    Gostei da Pick-up, porém meu interesse é outro perfil. Garanto não tratar de questão financeira, mas sim gosto pessoal. Assim, prefiro a cabine simples (com certeza comprarei uma – desde que tenha os seguintes requisitos abaixo).

    1° Preço condizente com o mercado.

    2° Não seja nem sequer cabine e meia, mas sim cabine simpes.

    3° Seja flex, pois jamais tenho interesse na diesel, (diesel, somente no dia em que o diesel for totalmente vegetal – soja, cana, mamona…) -, enquanto isso meu interesse é flex, mesmo com o preço provisório alto do álcool (preço esse, que ficou 4 anos abaixo do custo de produção e não será 4 a 5 meses de alta que me assustará).

    4º Tenha obrigatoriamente na cabine simples, a caçamba com as bordas iguais as da cabine dupla, iguais as da Ranger e S10 Cabine Simples (bordas lisas), e não as bordas deformadas de pick-ups orientais para suas cabines simples, tipo Hillux cabine simples, e S10 "Isuzu" D.Max Cabine Simples. É muito feia com os ganchos pelo lado externo da caçamba, parecendo veículo exclusivamente de transporte de carga.

    5º Seja 4×4 na Cabine Simples e bloqueio de diferencial.

    Se vier nessa configuração e com preço condizente, serei comprador com certeza absoluta.

    Resumo: Cab Simples, bordas lisas e ganchos internos, flex, 4×4 e bloqueio de difer. (Bem que poderia vir um Teto Solar igual ao do Golf, na Cab. Simples).

    Estou no aguardo para início de 2.011 e junto quem sabe também levo para casa um Golf Geração 6, motor 2.0, "com 16 válvulas" ou GTi 2.0 TFsi.

  2. Eu teria uma baseado no seguinte requisito (garanto também não se tratar de uma questão financeira):

    1) me entreguem de graça (sem proibição que eu a venda no dia seguinte)!

  3. tem que ser muito tabacudo pra não comprar um carro por causa da eletrônica embarcada. Afinal, em que ano nos estamos?

    Pela tecnologia envolvida, infelizmente a Amarok deve ficar cara. A VW deve ter pensando muito em fazer um carro mundial, possível de ser vendida na Europa.

  4. Vw, fica atenta:

    Se lançar cabine simples com as recomendações acima, e for na configuração básica com pára-choque sem pintura, peço que ofereça a opção de um pacote mais completo para a cab. simples, já incluso nesse pacote a opção de pára-choque na cor da carroceria.

  5. A intenção da Vw é fazer a Amarok competir com S10 flex CD – não precisa muito para isso. Dizer que concorre com Hilux, Frontier e Triton me parece um pouco fora da realidade. Agora se a Vw acha que pode cobrar um prêmio por isso, vai dar com os burros na água – a horrorosa S10 só vende mais por ser flex e ser mais barata – irá continuar vendendo mais se a diferença de preço for considerável.

    Já por falar em Hilux, como é linda a Tacoma – dá de mil a zero nessa Hilux da época da vovozinha. Aqui só recebemos produtos de terceira categoria, incluindo os da Toyota.

  6. Pingback: Volkswagen Amarok cabine simples é flagrada | Blogauto - Notícias e algo mais sobre automóveis

  7. Pingback: Volkswagen SpaceFox 2011 é flagrada na Argentina | Blogauto - Notícias e algo mais sobre automóveis

  8. Nós queremos é preço baixo .. Com itens de série de primeira qualidade .. Finalizando.. custo beneficio… Carro padrão europeu.. com preço acessivel… dai financiamos ….trocamos… faremos qualquer negócio.. Estamos mo Aguardo das novidades….. Faz tempo que estou namorando uma camioneta….. será que será VW??????

  9. Antes de falar que a pick up é fraquinha e etc. Faça um teste drive, nunca defendi marca nenhuma porque o que vale é a qualidade, tanto é que a Nissan Frontier é melhor que a Hilux em quase tudo, hoje em dia Hilux tem nome forte no mercado, mas já esta visivelmente atrasada em relação a concorrência e a leve reestilização feita na realidade não teve muito efeito, a toyota deveria ter uma melhor consideração pelo mercado nacional afinal de contas por enquanto ela ainda é a lider no seguimento tendo em vista a força e nível dos consumidores.

    Realizei o teste drive em todas pick up do seguimento "hilux, L200 triton, Nissan Frontier e Amarok", fico com a AMAROK, não só pela tecnoligia mas por todo o conjunto, e principalmente pelo fato da pick up não ter tendência de capotamento quando se muda de trajetória repentinamente como a Hilux, veja o video este link no youtube, "http://www.youtube.com/watch?v=aZF8N9NItHI",…. não preciso dizer mais nada.

  10. So p lembrar o pessoal "exigente" e talvez nao tenha onde colocar um montinho de dinheiro..a manutenção do veículo diesel é ZERO..alguem duvida?!

  11. como sempre o motor da VW deixando todos boquiabertos

    e sempre presaram pelo seu padrao de modelos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>