Chinês destrói própria Gallardo (Reuters)

A história se repete milhões de vezes: o vendedor faz inúmeras promessas, trata você como rei/rainha, mas na hora do pós-venda o sentimento é de abandono e traição. E não é só por aqui, evidentemente. Um chinês de Qingdao, revoltado com o descaso do serviço de assistência, destruiu seu carro a marretadas. Detalhe: seu carro era nada menos do que uma Lamborghini Gallardo, com seis meses de uso.

A decepção começou com um problema no motor, que não ligava. Enviado à concessionária, o carro voltou sem o problema resolvido e ainda por cima com algumas avarias no chassis. Depois de idas e vindas, o chinês tentou até mesmo contatar Stephan Winkelmann, CEO da marca italiana. E nada de solução. O jeito foi esperar o Dia Mundial dos Direitos do Consumidor e arrebentar o próprio carro a marretadas, com direito a ajudantes uniformizados e público. Se a moda pega no Brasil, as fabricantes de marretas ganhariam rios de dinheiro.

Imagine se a moda pega no Brasil (Reuters)