Funcionários de Gravataí comemoram o marco

A General Motors comemora nesta sexta-feira, 20, os 12 anos de atuação de sua unidade em Gravataí, RS, que produziu 1,9 milhão de veículos na última segunda-feira, com a montagem de uma unidade do hatch Celta. Deste volume, 1,5 milhão de exemplares são do Celta e pouco menos de 400 mil unidades são do Prisma. Atualmente, a fábrica tem capacidade para entregar 930 unidades por dia, em dois turnos de trabalho.

Inscreva-se no Canal do BlogAuto no YouTube, vídeos novos todo dia.

De acordo com a empresa norte-americana, “a unidade gaúcha é considerada uma referência de operação na produção de veículos, na qual, juntamente com outras 19 empresas sistemistas que compõem o Complexo Industrial Automotivo de Gravataí (Ciag), desenvolve uma cadeia produtiva única, modelo em áreas como sustentabilidade, qualidade e manufatura”.

Daqui alguns meses, a GM começará a produzir dois novos compactos, sedã e hatch, derivados do projeto Onix. Para isso, a marca já investe na unidade para sua ampliação. As obras civis já concluídas adicionaram 74 mil novos metros quadrados de área construída à unidade, aos antigos 216 mil metros quadrados. Atualmente a fábrica passa por processo de adaptação de linhas, recebimentos de novos equipamentos e validação de produtos. Até o final do processo, terão sido gerados cerca de mil novos postos de trabalho.

O investimento de R$ 1,4 bilhão do projeto Onix empregado na adequação e na modernização da linha de montagem da unidade gaúcha visa à produção de dois novos modelos integrantes da família de veículos Onix, destinados ao mercado brasileiro e eventualmente à exportação, além da ampliação da atual capacidade instalada de 230 mil unidades/ano para até 380 mil unidades/ano.

O valor destinado à Gravataí está inserido em um montante superior a R$ 5 bilhões que a empresa investe desde 2008, do programa quinquenal daquele ano até o final de 2012, o qual tem permitido a renovação da linha de veículos Chevrolet até o final deste ano; a modernização das fábricas e o aumento da capacidade produtiva, além da nacionalização de peças com fornecedores brasileiros.