Nissan Grand Livina

Nissan Grand Livina

Para quem tem família grande e pouco dinheiro, eis aí o modelo ideal: a Nissan lançou hoje no Brasil a Grand Livina, versão de sete lugares da minivan. A rival mais próxima é a Zafira, da Chevrolet, cuja versão Comfort custa quase R$ 7 mil a mais – a Grand Livina parte de R$ 54 890 com motor 1.8 16V Flex.

Mas, afinal, a Grand Livina é uma minivan compacta ou média? Nem um nem outro. Se em comprimento ela chega ser maior que a Zafira, a largura 5 cm menor e o entre eixos 10 cm inferior denunciam sua origem compacta. Ou seja, ela compete, sim, no segmento das minivans médias, mas no limite.

Em compensação, a Nissan promete um carro versátil, como bancos traseiros reclináveis e deslizantes, assoalho plano e bom porta-malas (589 litros com cinco passageiros que caem para 123 litros usando os sete lugares). E o preço é outra atração. Além da versão de entrada, cujo preço está no título, há também a versão automática por R$ 59 490 e as duas versões top SL – manual por R$ 61 190 e automática, por R$ 65 390.

O motor é o mesmo 1.8 16V Flex trazido pelo Tiida e presente na Livina. Ele tem 126 cv usando álcool e 125 cv com gasolina. A transmissão manual é de seis velocidades e a automática, de quatro. Entre as novidades, há o sistema I-Key, que permite a abertura das portas e a partida do motor sem uso da chave – disponível apenas para a top SL automática.

Apesar da tendência de vender mais das versões de entrada, a Nissan acredita que o mix será favorável aos dois modelos automáticos – 55% contra 45% dos manuais. Mesmo com os bons argumentos, a Nissan continua modesta nas vendas – ou realista, depende do ponto de vista: ela acha que venderá 250 unidades por mês do modelo.

Uma coisa é certa: o rack no teto, mostrado na foto acima, melhorou a aparência da minivan.