Fiat Freemont

O post do meu colega Claudio de Souza, editor do UOL Carros, chamou minha atenção para um detalhe: ter informação sobre carros de forma gratuita em vez de pagar por ela. O texto observa que as revistas especializadas já andaram no Freemont, da Fiat, semanas antes do restante da imprensa, incluindo os sites.

É uma prática antiga das montadoras que pode ter feito sentido há alguns anos, mas hoje não mais. Apesar de terem um texto analítico que admiro, as revistas já perderam o bonde em termos de velocidade da informação. Tanto é assim que a Autoesporte, uma das mais antenadas com a web, vire e mexe dá furos no site porque sabe que não dá para esperar a impressão da revista.

Mas esse tratamento diferenciado gera uma distorção tremenda. Veja o caso do crossover da Fiat. Quem quiser saber algo agora precisa pagar por uma das revistas. Até parece que as montadoras têm participação nas vendas… brincadeira, claro. É que para algumas marcas um produto só tem repercussão quando aparece na Quatro Rodas.

Ignoram que a internet atinge não apenas os fãs de carros, que são os compradores de revistas, na maioria. Sites especializados não só falam para esse mesmo público (vocês são exemplo disto) como também para uma ampla parcela de consumidores. Por exemplo, no iG Carros, algumas matérias são lidas por mais de 100 mil pessoas num dia ou dois. É o que a QR diz vender nas bancas.

Seria mais sensato que todas os tipos de veículos tivessem acesso a um lançamento ao mesmo tempo. Não acredito que uma revista venderia menos porque chegou dias depois do evento. Quem compra revista quer ler a opinião mais aprofundada que elas fazem. Mas ter prioridade é o preço que algumas cobram para destacar um veículo. A Volkswagen, por exemplo, levou as revistas e uns poucos jornais para andarem no novo Beetle. Mas não vi o modelo como estrela principal em nenhuma delas.

Certamente, um produto assim teria uma divulgação bem maior na home de um portal como o UOL, G1, iG ou R7. Afinal, um site tem pelo menos “30 capas” por mês contra uma das revistas mensais.

Enfim, as coisas estão mudando, os blogs começam a preocupar essas marcas e alguns sites estão mais estruturados. A própria Renault decidiu lançar o novo Sandero para todos os tipos de mídia ao mesmo tempo. Só falta mesmo esse reconhecimento pleno pelas suas colegas. Como disse o Claudio, internet não custa nada: nem para o leitor nem para as montadoras.