Meus caros, estou em Genebra cobrindo o salão para o iG Carros. Apesar da correria, segue aqui uma lista do que vi de legal no evento, com meus comentários pessoais. Essa seleção pode aumentar caso eu me lembre de outros modelos.

Tata Megapixel: a prova que dá para fazer carro atraente e simples

O Megapixel é evolução do Pixel que, por sua vez, era uma releitura da proposta do Nano. Em outras palavras, como fazer um carro barato que europeu goste já que o Nano passou longe de agradar. As portas deslizantes são bem funcionais para cidades e o interior parece bem aproveitado. Daí virar realidade já é outra história, mas o caminho me parece promissor.

Ford B-Max

Demorou para a Ford se tocar que uma minivan compacta é ainda uma boa sacada na Europa. O Fusion – o europeu – tentou sem sucesso, mas com a B-Max a missão parece possível. O modelo é bonito, prático – também apela para a porta deslizante na traseira (além de dispensar a coluna B), melhor que a estranha porta suicida da Opel Meriva – e confortável. Se os motores Ecoboost cumprirem com a expectativa que criaram, a Ford vai se dar bem. Queria ver a B-Max no Brasil, mas com o EcoSport novo isso é uma utopia.

Volvo V40

Não que o visual seja arrebatador. Pelo contrário, é a mesma receita da Volvo nos últimos anos, mas o V40 (ah, sim, trocaria esse nome para C50 ou algo assim) é um hatch para pensar em comprar. O C30 tem seu valor, é verdade, mas espantava muitos clientes com suas soluções exóticas e pouco práticas. O V40 não. Segue a cartilha da praticidade e tem um interior muito legal além de bom pacote técnico que deve melhorar no futuro já que a Volvo prepara uma nova família de motores 100% sua.

Ferrari F12berlinetta

Se você tem um bom home-theater em casa ou qualquer aparelho com um som potente (um iPhone serve) experimente ver no Youtube esse vídeo (http://www.youtube.com/watch?v=v5ML9ET7GJ0). As imagens e a música dizem tudo. A Ferrari passou o vídeo num telão em seu estande com o volume tão alto que você sentia no peito a vibração do motor V12. Parecia que a F12berlinetta estava acordada ali do lado.

Nissan Invitation

Em matéria de design, eu considero a Nissan em duas situações bem distantes. Há os esportivos como o GT-R e o 370Z que têm um visual cativante e o carros comuns, com seu estilo apagado. O Invitation é um sopro de renovação bem vinda. Suas linhas são bárbaras, os faróis e lanternas saltam aos olhos e a grade faz muito mais pela marca que uma Livina inteira. O nome, aliás, não poderia ser mais perfeito. Só resta torcer para que o modelo vire algo palpável.

Lamborghini Aventador J

Quando eu venci o mar de gente que formava uma barreira humana à frente do Aventador J a primeira coisa que me veio à cabeça foi “nossa, parece um Mach 5 futurista do desenho Speed Racer!”. O Aventador jé um esportivo com imensa personalidade, mas essa versão passa dos limites. A Lamborghini faz carros um tanto exagerados, porém, o “J” não parece ter nada sobrando.

Koenigsegg Agera-R

Não acho os carros da Koenigsegg bonitos, detesto o nome, não sei nem como eles conseguem fazê-los ir tão rápido, mas tive de dar o braço a torcer. Essa versão com pintura azul é fabulosa. Até na foto o carro ficou meio que em 3D. Ao vivo, é melhor ainda. Mas nem assim eu levaria para casa…

Peugeot 208

Fiquei mal-humorado com a Peugeot aqui na Suíça. Aluguei justamente um 207 europeu para ir ao salão, carro que não tinha dirigido anteriormente. E é um bom hatch, mais espaçoso, ergonômico e confortável que o nosso falso 207. Ainda gosta de bater duro no asfalto, mas era para ser um concorrente respeitado no Brasil. Agora, a marca vai corrigir esse equívoco com o 208 nacional. Mas ele será tão bacana quanto o europeu?

Tive a oportunidade de conhecê-lo em detalhes graças à paciência de funcionário da Peugeot no estande e adoraria ter um. O visual não vai gerar o mesmo alvoroço do 206, mas é inconfundível. O carro traz motores e câmbios novos e muitas sacadas legais como tela multifuncional com direito a aplicativos que falam com a internet e smartphones. A posição de dirigir é ótima, o volante pequeno e ovalado possui ótima pegada e o acabamento surpreende. Claro que falta andar para confirmar várias teorias, mas a Peugeot tem uma ótima chance de se redimir no Brasil.