Mazda MX-5 2016

Mazda MX-5 2016

Vinte e cinco anos após seu lançamento, o Mazda MX-5 chega a quarta geração. O roadster compacto, que se posiciona como o modelo da categoria mais vendido no mercado mundial (são mais de 950 mil unidades comercializadas desde sua chegada), recebeu mudanças no visual, interior renovado e alterações estruturais, para ser apresentado durante o Salão Internacional do Automóvel de Paris, a partir do dia 2 de outubro.

Quer parcelar os débitos do seu carro? Faça tudo online: licenciamento, IPVA e multas sem todo o processo burocrático. Saiba mais, clicando aqui.
Mazda MX-5 2016

Mazda MX-5 2016

O novo Mazda MX-5 2016, também conhecido como Miata, foi totalmente redesenhado, com uma dianteira mais pronunciada, dando destaque para os novos faróis afilados, fruto da identidade visual “Kodo”. O formato do modelo, entretanto, continua seguindo a mesma linha das gerações anteriores.

Mazda MX-5 2016

Mazda MX-5 2016

Por dentro, o roadster compacto também foi modernizado, com materiais de melhor qualidade e posição de dirigir mais baixa e recuada, além de uma tela central flutuante para o sistema de entretenimento, operada através de um botão giratório.

Mazda MX-5 2016

Mazda MX-5 2016

E graças ao uso de materiais leves (como o alumínio no capô, para-choques e tampa do porta-malas, por exemplo), resultado da nova arquitetura SKYACTIV, o peso do Mazda diminuiu em 100 kg, com distribuição de 50% para cada eixo. O modelo também está menor, com 105 mm a menos no comprimento (chegando a 3.915 mm), 20 mm na altura e 15 mm no entre-eixos. Por outro lado, a largura obteve um ganho de 10 mm.

Mazda MX-5 2016

MX-5 2016

Veja também: Os melhores SUVs do Brasil com preço até R$ 80 mil

Na linha de motores, o Mazda  MX-5 2016 será oferecido com dois propulsores a gasolina com injeção direta, da família SKYACTIV-G, provavelmente o 1.5 litro e o 2.0 de 120 ou 165 cv do Mazda3, com câmbio manual ou automático.

Confira a página oficial do BlogAuto no Facebook e no Google+.

Mazda MX-5 2016 volta às origens na nova geração