Harley-Davidson Fat Boy 2016

Harley-Davidson Fat Boy 2016

Confira a tabela de preços das motocicletas da Harley-Davidson no Brasil, preços públicos sugeridos em Outubro de 2016.

Harley-Davidson Sporster

  • IRON 883 – R$ 42.900
  • FORTY-EIGHT – R$ 50.700
  • 1200 CUSTOM LIMITED EDITION A – R$ 51.100
  • 1200 CUSTOM LIMITED EDITION B – R$ 51.100

Harley-Davidson Dyna

  • STREET BOB – R$ 55.800
  • LOW RIDER – R$ 58.400
  • FAT BOB – R$ 59.900

Harley-Davidson Softail

  • SOFTAIL DELUXE – R$ 69.900
  • FAT BOY – R$ 69.900
  • FAT BOY SPECIAL – R$ 70.900
  • BREAKOUT – R$ 73.700
  • HERITAGE SOFTAIL CLASSIC – R$ 74.100

Harley-Davidson V-Rod

  • V-ROD MUSCLE – R$ 78.500
  • NIGHT ROD SPECIAL – R$ 79.900

Harley Davidson Touring

  • ROAD KING CLASSIC – R$ 80.300
  • STREET GLIDE SPECIAL – R$ 90.400
  • ULTRA LIMITED – R$ 102.800

Harley Davidson CVO

  • CVO STREET GLIDE – R$ 134.200
  • CVO LIMITED – R$ 151.200

Veja também: As 5 motocicletas mais rápidas do mundo

Harley Davidson Motor Cycles é uma empresa fundada em Milwaukee, nos Estados Unidos, no ano de 1903. É reconhecida mundialmente como uma marca emblemática de motociclos e dedica-se ao fabrico de motos de grande tamanho e cilindrada.

Em 1903, em Milwaukee, no Wisconsin, dois jovens resolveram instalar um motor num quadro de bicicleta, com a intenção de se locomover mais rapidamente e mais comodamente nas subidas. Estes dois jovens se chamavam Arthur Davidson e William S. Harley e certamente não sabiam que acabavam de criar um dos meios de transportes mais utilizados do mundo e uma das marcas mais cobiçadas pelos amantes de motocicletas, a marca Harley Davidson.

Nascimento de uma lenda chamada harley-davidson.[editar | editar código-fonte]
Com efeito, um dia, um rapaz inteligente, farto de ter de pedalar, teve a ideia genial de acrescentar um motor à sua bicicleta. Foi exatamente isso que aconteceu a dois americanos, colegas de universidade, Arthur Davidson e William S. Harley, respectivamente escultor e desenhista, que se lançaram nessa arriscada união.

Se bem que tinham tido o cuidado de associar aos seus trabalhos Ole Evinrude, um motorista, a primeira máquina assim criada, entre outros detalhes. Reza a lenda que o carburador era feito de uma lata em conservas -uma falha completa: o engenho recusou-se terminantemente a andar. O motor, demasiado fraco, não conseguiu propulsionar o conjunto. Não desanimaram e voltaram a tentar o enxerto, adaptando, desta vez, um motor de 400 cm³, nitidamente mais potente do que o primeiro. Em resultado, a máquina andava, mas desta vez foi o quadro que manifestou rapidamente drásticas sinas exteriores de fraqueza. Sem o saberem, acabavam de enfrentar a pedra angular, o segredo de uma boa moto: a harmonia e síntese de um quadro e de um motor. De surpresas desagradáveis a progressos encorajadores, os nossos dois amigos, instalados no seu local de trabalho (8m²), conseguiram finalmente construir a sua primeira verdadeira máquina: nascia a lendária Silent Gray Fellow. O motor de um cilindro inclinado de 410 cm³ que desenvolvia 3 cavalos estava equipado com uma válvula de admissão automática e com uma transmissão de correia. Produziram-se três exemplares, todos cinzentos, já com a cor fetiche da nova marca. Encorajado pelo seu brilhante resultado, William S. Harley tomou a decisão terminante de se inscrever na universidade de Wisconsin a fim de melhorar os seus conhecimentos de mecânica. Em boa hora o fez, pois, graças a um motor retificado de 450 cm³ e desenvolvendo 4 cavalos e a um quadro finalmente digno desse nome, saíram 50 exemplares das oficinas Harley-Davidson em 1906.

A partir de 1907, a notoriedade de Harley e Davidson, aos quais se juntaram os primos William e Walter Davidson, começa a sair do estado de Wisconsin, e são produzidas pelo menos cem máquinas todos os anos. A fim de fazer a demonstração flagrante da qualidade das motos doravante fabricadas, Walter Davidson envolve-se de desporto motociclista e alcança a vitória, em 1907, numa famosa corrida de resistência.

Organizada pela Federation of American Motorcyclists, e nela bate o recorde de sobriedade percorrendo 300 km com menos de 5 L de combustível. Finalmente, recompensa suprema: em 1907, a polícia americana começa a equipar-se com motos Harley Davidson. Nesta época a moto Harley Davidson estava, ainda bastante longe do mito, mas começou indiscutivelmente a aproximar-se dele. Assim, o primeiro V-Twin seria construído em 1909, associado a duas outras iniciativas na época: o acelerador de punho rotativo e a forquilha em paralelogramo, precursora daquela que se tornou célebre na futura Springer.

O símbolo do sonho americano[editar | editar código-fonte]
A partir deste momento as cilindradas vão suceder-se a as inovações técnicas multiplicar-se: o motor bicilíndrico de 1000 cm³, o monocilíndrico de 600 cm³, a famosa válvula de escape lateral; mas eclosão igualmente de ideias que marcaram uma época, como o selim suspenso, a caixa de duas velocidades (depois três) e um sistema de lubrificação automático. Sempre paralelamente ao seu desenvolvimento industrial às máquinas Harley Davidson percorrem os circuitos com um sucesso garantido desde a criação de um verdadeiro serviço de corrida oficial. Em 1915, Leise Pakhurst, vence o Troféu Nacional da Hora da FAM, em Birmingham, Alabama, e consegue mais de vinte e cinco vitórias ao longo da época. Ainda em 1915, Floyd Clymer bate o recorde do mundo da hora em dirt track em Dodge city, a 132 km/h, numa máquina equipada com um V-twin com oito válvulas com duas saídas de escape por cilindro.

Embora em 2009, uma Harley Davidson esteja muito afastada da imagem do desporto motociclista, foi neste terreno que a marca provou a sua confiabilidade e a eficácia das soluções técnicas adotadas e revolucionarias no seu tempo. Ninguém esqueceu os anos 70, não tão afastados como isso, no decurso dos quais especialmente as XR reinaram sozinhas nas pistas de cinza dos EUA. No futuro, talvez voltemos a ver na categoria dos twins, tão estimada do outro lado do Atlântico, uma Harley-Davidson multi-valvulas “bater” as italianas, as alemãs e as japonesas. Adoram-se ou não se suportam, mas é um facto: ninguém é insensível a uma Harley-Davidson. Já toda a gente ouviu falar nas celebres maquinas americanas, já se cruzou um dia com biker mais ou menos autentico e ouvir os sons baixos tão característicos do mais celebres motor do mundo. Copiadas no melhor dos casos, plagiadas muitas vezes, as máquinas de Milwaukee escreveram a sua historia nas próprias raízes do povo americano. Associada ao cinema, à música, às tradições do povo americano, ao serviço da polícia e do camponês do Middle West, as Harley-Davidson atravessaram o século 20 com sortes diversas, mas elas ai estão e estarão.

A principio utilizada pelo americano médio, as Harley-Davidson tornaram-se, depois da II Guerra Mundial e de uma utilização maciça na política e no exército, o símbolo do Sonho Americano. Os soldados norte-americanos de regresso da campanha europeia e que continuavam a circular em grupo, para não dizer em bando, com as suas Harley desempenharam um grande papel na imagem da marca e dos seus fãs. Provavelmente, contribuíram em muito para a ideia feita, muitas vezes autêntica, do biker ultra nacionalista, dado à cerveja e quem gosta de concursos de T-shirt molhadas e de piadas grosseiras. Assim, ela tornou-se contraditoriamente a montada dos maus-rapazes e dos burgueses em perspetiva.

Esta mistura é ainda mais gritante hoje em dia na Europa, onde desde alguns anos as maquinas americanas conhecem um entusiasmo evidente junto de “burgueses respeitáveis”, que, adornados com os inevitáveis sinais de exteriores do biker à moda europeia, ignoram ou fingem que ignoram tudo aquilo que as maquinas veicularam, de ideologia nacionalista, ou mesmo racista, mal sã.

No inicio da década de 1970, um filme, Easy Rider provocou na Europa um ressurgimento da marca americana. A liberdade, ainda e sempre, de dois maus rapazes conduzindo as suas Harley Davidson, estimulou a inconsciente de geração de 69. A combinação era demasiado bela para se poder fugir a ela.

Confira o BlogAuto no: Youtube, FacebookGoogle+, Instagram e Twitter.

Tabela de preços das motos da Harley-Davidson

»crosslinked«