Quem havia vendido o carro antes da mudança do IPI e estava com o dinheiro guardado não poderia ter feito melhor negócio. De uma hora para outra, o carro zero km ficou bem mais barato, praticamente uma pechinha em alguns casos. Porém, quem quer colocar o usado na troca por um novo ou precisa vender seu veículo, entrou numa roubada. A redução do IPI literalmente matou o carro semi-novo. Há casos em que a diferença entre o preço de tabela antigo e o que algumas lojas pagam pelo seu veículo chega a R$ 10 mil.

Os economistas do presidente Lula acabaram beneficiando só um lado da moeda – quem tinha dinheiro vivo. Mas o mercado de carros não funciona assim e o veículo usado é sempre a entrada para um modelo zero km. As lojas, no entanto, tiveram de reajustar seus carros usados para baixo já que muitos modelos novos estavam mais baratos que os semi-novos.

Um Honda Civic 2008, por exemplo, é vendido por R$ 52 mil contra R$ 60 mil anteriormente. Se você colocá-lo na compra de um novo, vai receber apenas R$ 47 mil – há seis meses ele valia R$ 64 mil novo.

Lojistas com as quais conversamos nos passaram a mesma situação: o mercado de usados parou. Ninguém compra mais nada já que vale mais a pena investir num modelo novo. Mas como a avaliação dos usados está muito ruim, muita gente não consegue fechar negócio. Ou seja, a situação não melhorou tanto quanto o governo imaginava.

Talvez o melhor teria sido reduzir os impostos gradativamente, para dar tempo do mercado de carros se adequar e os veículos não perderem tanto valor repentinamente. Imagine quem fechou negócio no dia anterior ao anúncio da redução do IPI?