Ford Mustang Boss 302 2013

Um dos modelos mais conceituados nos Estados Unidos, o muscle-car Mustang teve sua linha 2013 revelada nesta semana pela Ford, que será apresentada no próximo Salão do Automóvel de Detroit em janeiro do próximo ano.

Quer parcelar os débitos do seu carro? Faça tudo online: licenciamento, IPVA e multas sem todo o processo burocrático. Saiba mais, clicando aqui.

Ford Mustang Boss 302 2013

Na estética, o modelo permanece com as linhas de aspecto “nervoso”. Entretanto, houve mudanças nos para-choques e no conjunto óptico. A traseira ganhou lanternas com iluminação em LEDs. Novas opções de rodas estão entre as novidades, que podem ser de 17, 18 ou 19 polegadas.

Ford Mustang Shelby GT500 2013

Porém, as melhores mudanças estão escondidas debaixo do capô. O modelo ganhou um novo motor 3.7 litros V6 com 305 cavalos de potência, que equipará as versões “convencionais” do lendário Mustang. Em um patamar acima, está à série GT, com um belo motor 5.0 litros V6 de 420 cavalos de potência, que será oferecido com câmbio manual ou automático sequencial, ambos de seis marchas.

Ford Mustang Shelby GT500 2013

A Ford mostrou também as versões mais apimentadas do carro. A primeira é a Boss 302, que utiliza o mesmo propulsor do Mustang GT, porém, ajustado para entregar 444 cv. Além do motor, a versão conta com elementos visuais exclusivos (faixas adesivas e cores diferenciadas) e freios e suspensão com ajustes especiais. No interior do modelo há os bancos do tipo concha Recaro.

Ford Mustang GT 2013

Por fim, há o tradicional e “feroz” Shelby GT500, variante topo de linha do muscle-car. A série ganhou um novo motor 5.8 V8 Supercharged de 650 cv – 100 cv a mais do que o bloco 5.4 V8 que equipava o modelo anterior. De acordo com a Ford, a versão pode atingir 320 km/h de velocidade máxima. Esta versão será a aposta da marca para bater o recém-lançado Camaro ZL1, da Chevrolet, com seus 580 cv.

Ford Mustang GT 2013

As vendas do Ford Mustang 2013 nos Estados Unidos começarão no segundo semestre de 2012, enquanto no Brasil deveremos continuar com as importações independentes.

[nggallery id=86]